A História da Consciência Negra

Lu Marques 0

A consciência negra é muito mais que uma data, um feriado ou dia de manifestação onde os valores da cultura africana são memorados. A consciência negra é um movimento com origens profundas na história, cultura e política da África do Sul e do mundo. Não só do Brasil, como nos é, sutilmente (negligentemente), sugerido pelos meios de comunicação. Esse artigo não tem a pretensão de exaurir o assunto sobre o tema – de forma alguma -, e sim, prover uma introdução correta ao leitor. Norteando-lhe um caminho com mais paisagens e informações. A história é tão rica e ramificada que se torna, certamente, merecedora de bons livros, filmes e documentários.

Tudo se inflama na década de 1960, na África do Sul. Ações insurgidas pelo “apartheid” e por todas as outras questões vinculadas ao tema dão início ao que viríamos a conhecer como BCM – Black Consciousness Movement (Movimento da Consciência Negra). O “apartheid” (separação) foi um regime de segregação racial imposto pelos governos do Partido Nacional da África do Sul. O regime foi adotado de 1948 a 1994, pela minoria branca que formava o Partido Nacional e tinha como objetivo cercear os direitos do povo.

O “Movimento da Consciência Negra (BCM)” foi um movimento contra o “apartheid” e emergiu na África do Sul por volta de 1960 após o Governo prender, exilar e  expulsar a maioria das lideranças dos movimentos liberais, na época. Durante o chamado “vácuo”, que se deu com a repressão dos partidos African National Congress (ANC) e Pan Africanist Congress (PAC) – após o “Massacre de Sharpeville”, no mesmo ano -, organizações como a BCM surgiram. Unidos livremente em torno de ideais descritos como “Consciência Negra (Black Consciousness)”, as organizações então surgidas idealizavam ajudar, educar e organizar o povo negro, em particular, os jovens. O surgimento do Movimento da Consciência Negra marca o fim do silêncio e da proibição, imposta pelo Governo, aos movimentos políticos negros.

O Dia da Consciência Negra

Dia 20 de novembro: O Dia da Consciência Negra, no Brasil. Após termos conhecido um pouco sobre os movimentos de conscientização da cultura e da raça negra na África do Sul, temos de fazer um liame distintivo entre tais acontecimentos, lá, na década de 1960 e a data que hoje é comemorada no Brasil. Embora a comemoração do Dia da Consciência Negra no Brasil seja uma ramificação histórica e cultural impulsionada, também, pelos acontecimentos de lá, ambas distinguem-se no significado.

O Dia da Consciência Negra no Brasil é dedicado à conscientização dos valores, da importância e da cultura do povo negro chegado ao Brasil. Além de incitar uma sólida reflexão de sua inserção na sociedade brasileira. O motivo de a data ser 20 de novembro é a morte de Zumbi dos Palmares em 20 de novembro 1695. Zumbi dos Palmares foi o ultimo líder do “Quilombo do Palmares (aldeia onde se concentravam os escravos que fugiam das fazendas)”. Esse dia também pretende registrar a resistência à escravidão, e as lutas pelo direito igual a todos.

No Brasil, fica registrado o primeiro transporte de escravos para o solo nacional no ano de 1594. Tendo a escravatura sido abolida só em 1888, através da Lei Áurea assinada pela Princesa Isabel e apresentada à Câmara Geral (o que hoje seria conhecida como Câmara dos Deputados) pelo Ministro da Agricultura, na época, Rodrigo Augusto da Silva. A partir de 1888, então, no Brasil, a escravidão é extinta e o país assume o posto de última pátria independente do Continente Americano a aderir ao abolicionismo. Tanto a adesão à escravatura quanto a demora em extingui-la, no Brasil e no mundo, causaram danos imensuráveis aos negros. A escravidão ceifou o desenvolvimento da cultura e da vida, de modo geral, de todas as raças que sofreram com seus abusos. Sem sombra de dúvidas, a escravidão estagnou e modificou o fluxo natural das vidas submetidas à ela, impossibilitando, hoje, a existência de grandes líderes e a plena desenvoltura dos seus herdeiros. Mas, graças à evolução constante e natural da sociedade, o panorama desse triste fato tem sido diferente e, aos poucos, os atingidos recuperam o que lhes é de devido direito. Embora seja um fato que jamais se apagará ou será consertado, seja pelo arrependimento ou pela bonificação em detrimento do reconhecimento da sociedade aos seus erros.

Nos Estados Unidos da América o termo “Dia da Consciência Negra” é conhecido como The Day of Black Awareness. Lá, a celebração recebe o nome de Black History Month (Mês da História dos Negros) ou African-American History Month (Mês da História dos Afro-Americanos) e acontece todos os anos no mês de fevereiro. Além das já citadas, podemos marcar outras datas com o mesmo intuito que teve o Movimento de Conscientização Negra (BCM), na África do Sul em 1960. The International Day for the Elimination of Racial Discrimination (O Dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial) é um dia importante que reafirma a disposição em se eliminar toda e qualquer discriminação racial. Acontece anualmente dia 21 de março em homenagem às 69 pessoas mortas num protesto feito na África do Sul que ficou conhecido como o “Massacre de Sharpeville”. O dia 21 de março também é comemorado na África do Sul como Human Rights Day (Dia dos Direitos Humanos), onde se celebra todas as vidas perdidas na luta pela democracia e pela igualdade dos direitos humanos.

Leia Também:



Deixe um Comentário »