Casas Pernambucanas – Promoções e Preços Baixos

O que é 0

Casas Pernambucanas faz parte da vida de todos os brasileiros há 100 anos. Vamos conhecer melhor sobre o início e o trajeto dessa rede de lojas que fez e ainda faz sucesso, sempre acompanhando as vidas das famílias do Brasil: o início das Casas Pernambucanas deu-se da seguinte maneira: Herman Theodor Lundgren veio da Suécia ao Brasil no ano de 1855, estabelecendo-se no Estado de Pernambuco e trabalhando como atende e corretor de navios. Seu foco era a exportação e a importação de variados produtos, como sal e peles de animais. Cerca de um ano mais tarde, esse empreendedor fundou a Fábrica de Pólvora S/A Pernambuco e em 1904 comprou a Companhia de Tecidos Paulista, dando seu primeiro passo dentro da indústria têxtil. Após essas decisivas atitudes, Herman inaugurou, em 1908, a primeira Casas Pernambucanas.

Com os diversos acontecimentos da Primeira Guerra Mundial, a indústria brasileira cresceu: a famosa Gabrielle Coco Chanel libertou todas as mulheres dos trajes desconfortáveis da época, revolucionando a moda feminina. Enquanto isso, Henry Ford barateou o valor dos automóveis e permitiu que se tornassem populares. Junto às evoluções da indústria, também estava o setor têxtil, com a participação da Cia. Paulista de Tecidos e a Casas Pernambucanas.

No ano de 1920, a Casas Pernambucanas revolucionou a publicidade ? que mal era estudada na época ? e enviou diversos funcionários para todo o Brasil com a intenção de que fizessem diversas propagandas em árvores, barrancos, portões e pedras. Na mesma época, buscando atender a demanda que só crescia, a fábrica de Rio Tinto também foi inaugurada na Paraíba. Durante os anos 30, a Casas Pernambucanas já era tão famosa e prestigiada que diversos prefeitos pediam que uma loja fosse instalada em suas cidades. Isso ocorria porque os municípios que dispunham de uma Casas Pernambucanas era visto como moderno, além de tornar a loja acessível à população local.

Nos anos 40, 50 e 60, ocorrem diversas evoluções na moda feminina e também masculina. As mulheres buscam maior feminilidade e glamour nas roupas e acessórios, acompanhadas com o uso de cabelos compridos e roupas um pouco menos compridas. Nos anos 60, a Jovem Guarda é liderada por Roberto Carlos, Wanderléia e Erasmo Carlos e, além disso, surgem as minissaias e a pílula anticoncepcional, causando uma grande e significativa revolução sexual. As modas femininas e masculinas também se misturam e todas as Casas Pernambucanas acompanham as mudanças e evoluções da moda e do estilo de vida, sempre de acordo com o que a população buscava.

Nos anos 70, a Permabucanas criou o Crediário Tentação e, assim, as mulheres foram reconhecidas como consumidoras da loja. Na época, já existia televisão em cores e o antigo videocassete foi inventado. As Casas Pernambucana, sempre acompanhando a evolução, passaram a vender eletroeletrônicos e eletrodomésticos. Com a globalização, nos anos 80, a moda e o mundo ficaram mais liberais e ousados. Já nos anos 90, misturou-se tudo: as décadas criaram uma moda só. Além disso, com a Era da Informação, a Casas Pernambucanas passa a informatizar toda a loja, através da aquisição de etiquetas de controle, códigos de barra, fitas cassetes e cartões magnéticos.

Cartão Casas Pernambucanas

Nos anos 2000, a Casas Pernambucanas chegou ao auge: acompanhou as mudanças de tendência, inaugurou o centro de distribuição em Tamboré e Barueri, criou a Universidade Corporativa Comendadeira Helena Lundgreen, todas as lojas foram remodeladas e o Cartão Pernambucanas já ultrapassou a marca de 10 milhões de clientes. Atualmente, os clientes também tem acesso à loja virtual e o e-commerce virou, finalmente, uma realidade para todos nós. A Casas Pernambucanas continua sua história com comprometimento e cresce através da dedicação, da fidelização e das vendas de moda masculina, feminina, infantil, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, acessórios de cama, mesa e banho e muito mais.

Termos de Busca:

Leia Também:



Deixe um Comentário »