Linfócitos Atípicos

O que é 0

O que são Linfócitos Atípicos Antes de falarmos sobre isso, vamos entender o que são linfócitos: apesar de terem sido descritos em 1774, apenas em 1960  com a teoria da Expansão Clonal de McFarlane-Burnet  é que as funções dos linfócitos começaram a ser desvendadas.

Os linfócitos constituem um grupo heterogêneo de diversas células com características comuns que os distinguem dos leucócitos. Existem três grupos de células linfocitárias: T (derivadas do Timo), B (derivadas do homólogo humano) e NK (Natural Killer). Dentro desses grupos ainda existem diversos sub-grupos que são separados de acordo com suas funções biológicas e suas moléculas de superfície, mas todos mantém a mesma morfologia.

As células linfocitárias derivadas do Timo tem como função atuarem na defesa do nosso organismo. As células B também participam da resposta imune adaptativa do corpo. Entretanto, os linfócitos NK tem papel na resistência inata a diversas células malignas e patógenos.

Agora que já entendemos um pouco sobre quais os tipos e funções dos linfócitos, podemos falar sobre os Linfócitos Atípicos. O linfócito atípico é um leucócito que não é maligno ao organismo. Ele pode ser encontrado no sangue e, em alguns locais de inflamação, atua normalmente. O que acontece é que, por ser atípico, o linfócito apresenta algumas alterações morfológicas e pode ser identificado como um outro tipo de célula (linfócito plasmocitóide ou plasmócito linfocitóide).

Os detalhes que caracterizam os Linfócitos Atípicos são, geralmente, muito fáceis de identificar através do microscópio. É interessante frisar que a presença dessas células atípicas e a determinação da quantidade são essenciais para constatar determinados diagnósticos, como a síndrome da mononucleose-símile. Existem várias condições e patologias que podem contribuir para o aparecimento de Linfócitos Atípicos. Confira:

Alterações que contribuem para o aparecimento de Linfócitos Atípicos

1. Reações Tóxicas e Drogas:

- Chumbo;

- Arsenicais Orgânicos;

- Ácido para amino salicílico;

- Trinitrotolueno;

- Hidantoina;

- Fenotiazina.

2. Infecção:

- Influenza;

- Febre Q;

- Hepatite A;

- Hepatite B;

- Adenovírus;

- Dengue;

- Caxumba;

- Sífilis;

- Toxoplasma;

- Sarampo;

- Rubéola;

- Varicela (catapora);

- Vírus Epstein-Barr;

- Febre Hemorrágica;

- HIV 1 e 2;

- Herpes Simples e Zoster.

3. Distúrbios Autoimunes:

- Agamaglobulinemia;

- Anemia Hemolítica auto-imune;

- Hepatite Crônica;

- Púrpura trombocitopênica;

- Artrite Reumática;

- Lupus Eritematoso Sistêmico.

4. Causas Hormonais

- Estresse;

- Tireotoxicose;

- Pan-hipopituitarismo;

- Doença de Addison;

- Deficiência de glicocorticóides.

5. Distúrbios Idiopáticos

- Sarcoidose;

- Miastenia Grave;

- Neuropatia Carcinomatosa;

- Síndrome de Guillain-Barré;

- Encefalomielite Disseminada Aguda.

Graças à associação de Linfócitos Atípicos com diversas enfermidades, sempre existe a necessidade de prevenção através de exames e acompanhamento médico. Quando algum exame acusar a presença dessas células atípicas, não deixe de realizar testes e evitar futuras complicações.

Termos de Busca:



Deixe um Comentário »